Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de belbruno
 


Fotografias



Belvedere Bruno

 

Relutava em abrir o baú onde guardava as fotografias  das diferentes   fases de minha vida. Sentia que,  se o fizesse, de  certa forma abriria as portas para  os fantasmas que tão bem descansavam naquele lugar. Havia fechado o baú há mais de trinta anos.  Para que  mexer no que estava quieto?  Uma voz vinha  lá do fundo de mim, falando sobre prudência, mas, na verdade, esta  era  uma palavra que eu sempre desconhecera.
 Confesso ser um tanto frio nas questões pessoais . Passado é passado. Fico refletindo sobre o  que leva as pessoas  a  remexerem no ontem,  como se isso fosse dar vida ao hoje.
Há  trinta e dois  anos resido em Paris, sou casado, tenho dois filhos . Esqueci o passado,  integrando-me ao presente e planejando o  futuro.Não faço parte da maioria  das pessoas que tem mania de saudade e sofre de   nostalgias ...  
 Não sei como descobriram meu telefone. Vivem me ligando do local onde nasci  e passei minha juventude. Por que não me deixam em  paz? Sempre digo a mesma coisa: que me esqueçam, porque, se saí  sem nunca mandar  referências , considero uma violação de privacidade terem descoberto o número do telefone e começado esse assédio.
Voltando ao báu, não sei se o abro. Quando decidi trazer as fotografias, foi para preservar as lembranças, não para mim, mas  para as gerações futuras.
O cerco acabou por me levar a sentir vontade de  rever  determinadas pessoas, mas,  sinceramente , nem  sei se lhes recordo as fisionomias.
Enfim, abro o baú e um cheiro de mofo  impregna o ambiente.  Jogo as fotos  no chão. Minha cabeça parece explodir. Tudo se embaralha: pessoas, datas, locais.  
No entanto, uma foto me atrai como um ímã. É Eliana, presença que embalara meus sonhos juvenis . Parece me fitar, sorrindo.     Por um   longo  período,  mantenho aquela foto  em minhas mãos, querendo, a todo custo,  reter o seu  sorriso.  Quanta saudade!
Desperto do devaneio com os olhos marejados.  Impetuosamente, jogo  todas as fotos de volta ao  baú.
  Sou muito feliz, só não entendo por que  o passado cisma em me importunar, se dou valor apenas ao  presente .
 
 


Escrito por belbruno às 17h09
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]